Manutenção Produtiva Total: um conceito fundamental no Processo Produtivo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Por Alexandre Anbar

O momento em que ocorre a falha de um equipamento pode ser de enorme dramaticidade para algumas empresas. É nestas situações que o conceito de Manutenção Produtiva Total se encaixa.

O termo (Manutenção Produtiva Total) é comumente referido pela sigla T.P.M., que é originária do inglês, Total Productive Maintenance. Em tempos mais recentes e com a evolução dos processos, a sigla passou a significar Total Productivity Management. Algo como “Gerenciamento da Produtividade Total”, em tradução livre.

Acima de ser uma sigla, ou um termo técnico, T.P.M. é um conceito de manutenção produtiva. O objetivo é integrar todo o processo de manutenção, com o processo da produção. Dentro deste conceito, a produção é gerida com orientação para a máxima eficiência dos equipamentos.

Isto significa que, manutenção e operação trabalham em conjunto na operação. O objetivo é de garantir o máximo da vida útil dos equipamentos. Isto reduzindo as paradas na produção, por conta de falhas nos equipamentos.

O que é a Manutenção Produtiva Total?

A Manutenção Produtiva Total se divide em três pilares:

• Manutenção: O objetivo é manter os equipamentos em pleno funcionamento, com segurança e salubridade.

• Produtiva: Isso sem que a manutenção interrompa a produção. Com vistas a reduzir ou eliminar as perdas produtivas por falhas dos equipamentos.

• Total: Com o envolvimento global de todas as partes da produção e não somente da manutenção.

Em síntese, a aplicação da T.P.M. em um processo produtivo visa desenvolver um ambiente colaborativo no contexto do processo, entre a operação e a manutenção. Isto para que a segurança dos trabalhadores e dos equipamentos possa ser garantida, junto a um processo altamente eficiente.

Como aplicar a T.P.M

Um princípio importante para a aplicação da Manutenção Produtiva Total é o da Manutenção Autônoma. Por base, a Manutenção Autônoma parte da filosofia de que todos os envolvidos no processo produtivo são os responsáveis pela manutenção dos equipamentos.

Passos simples e rotineiros, como a verificação diária das condições de um equipamento, por parte do operador, podem reduzir a necessidade futura de paradas para manutenção.

Além disso, por mais que o manutentor conheça a máquina, o operador, que é quem convive com ela mais continuamente, poderá indicar mais rapidamente falhas em seu funcionamento. Seja por um som estranho, calor excessivo ou mesmo perda de eficiência, a percepção inicial do operador poderá alertar problemas, antes que eles se tornem mais graves.

Desta forma, a colaboração entre manutenção e produção, com a verificação contínua do estado do equipamento, mesmo em funcionamento, garante que os três pilares da Manutenção Produtiva Total sejam cumpridos.

Vantagens na aplicação da T.P.M.

Além dos ganhos diretos na eficiência produtiva, a empresa poderá notar outros benefícios com a Manutenção Produtiva Total.

O primeiro deles é a gestão de conhecimento, já que operação e manutenção conhecerão mais sobre os equipamentos e como identificar problemas de modo mais seguro e eficiente.

A economia em tempo e recursos de manutenção também é um outro benefício, dado que com estas práticas, o Tempo Médio Entre Reparos (TMER) de uma máquina deverá melhorar significativamente.

Por fim, um bom ambiente de trabalho será desenvolvido. Com a integração entre duas áreas fundamentais no processo produtivo de uma empresa.

Não haverá mais aquela ideia errada de que um lado “atrapalha e atrasa o trabalho do outro”, mas sim de que ambos estão focados no mesmo objetivo de ganho contínuo de eficiência e segurança.

Para saber como aplicar em sua empresa, entre em contato conosco. Espero que este artigo o tenha ajudado.